24 de outubro de 2014

Letícia e Diego

Interessante lidar com princesas de verdade! Faz tempo tenho minha teoria sobre princesas. Há as que se fazem de tal e as legítimas. Quem se faz carrega o peso da falta da espontaneidade, traz a pseudo-humildade evidenciada, ego que eu chamaria de ego+centrismo e a vaidade besta de se achar maioral - blargh, odeio quem se constrói daquilo que não é, mas queria ser.

A princesa não. Ela é linda desde que acorda, daquelas belezas que a gente não se cansa de olhar, pelo contrário - quanto mais olhamos, mais linda ela se torna. Princesa de verdade tem luz, o sorriso ilumina, os olhos iluminam, a voz ilumina, tudo ilumina! Princesa que é princesa brilha. Traz leveza no jeito de ser, carrega simpatia e a gente pensa: PQP, NUH, AINDA POR CIMA TEM QUE SER SIMPÁTICA DESSE JEITO, ALÉM DE LINDA COMO É???? E lá se vai aquele conjunto todo, encantando e encantado. Como nos contos de fadas!

A Lê é princesa. Das legítimas, daquelas nas quais Disney se inspirou ao criar cada conto. Daquelas que servem de lições e inspirações. Claro que se inspirar naquela beleza toda, e daí?, leva a lugar nenhum, porque a natureza foi generosa além da conta, nem tem graça a brincadeira, tô de altas, rs. Mas, aprender a ser tão fofa, tão simpática, tão natural, tão espontânea, tão bacana, tão igual. Ela é diferente, mas é igual. Fala a mesma língua, apresenta as mesmas ansiedades, os mesmos sonhos, os mesmos temores, as mesmas risadas e as mesmas lágrimas. É tão igual que se torna especial até nisso. Eu sempre aprendo muito com moça bonita!

Moça bonita tb quer casar, moça bonita tb quer príncipe, moça bonita cuida e ama, moça bonita se sintoniza com seu eleito, né Diego? A eleitora e o eleito - remetendo ao nosso momento, tudo a ver, rs! Moça-princesa tem mãe rainha, né, Cláudia, provável origem das qualidades aprendidas e herdadas, porque eita rainha condizente aos mesmos adjetivos!!!

Se eu saio com lições, saio mais feliz daquilo. Aprendi, amei e saí feliz atééééé!!!! Continue brilhando, minha princesa Lê, seja muito feliz com seu Diego!!!

Fotos: Alexandre + Cristina Lima

























20 de outubro de 2014

Ainda assim, bonito de se escrever...


Eu me lembro, quando aos 11 anos de idade, via o país na redemocratização e as pessoas levantando bandeiras políticas, uma mobilização pela coisa, tudo ainda meio abstrato a uma criança daquela idade, mas me lembro da energia, do engajamento e até das propagandas de TV, dos jingles, dos nomes de candidatos e tals. 

Pulando etapas e detalhes e sem me aprofundar no assunto (até porque assumo meu desconhecimento para tal aprofundamento), depois que passei a votar, não vi nada igual. Não sabia se minha cabeça registrou a coisa inadequadamente, pela pouca idade e distorção de proporções ou se, de fato, tudo se transformou numa situação mais particular, mais introspectiva, mais desanimada e desanimadora, apenas uma obrigação civil. 

Até que chega 2014. Pessoas levantando bandeiras, lutando, gritando, brigando. Pessoas se interessando, estudando, argumentando... pensando!!!! PENSANDO!!! E expondo pensamentos, que o diga o facebook. Há quem abomine o que ocorre, há quem ache um absurdo o desentendimento, o calor, o clamor. Não acho!!! Gosto do clima que carrega esse tipo de luta por ideais, por esperança de um país melhor, por auto-defesa, por um EU (cada um com seu) dentro de uma coletividade a ser defendida junto. Gosto de achar que o outro é louco, enquanto outro-alguém é inteligente, provavelmente por um entrar em discordância e outro em concordância absoluta. Gosto de ver que, mesmo quem tem uma vida relativamente similar e a mesma instrução educacional que a minha, ainda assim, pode pensar tão diferente, ainda que seja tão idêntico em um monte de demais pontos de vista, quando os assuntos são outros. 

Independente do resultado, achei bonito! Independente do resultado, fica a fé de que é possível transformar hj ou amanhã ou quando precisarmos fazer isso, pois político governa, mas povo tb tem que governar. Adorei ver pessoas pensarem e pensar junto. Adorei estudar um pouquinho a respeito e tentar entender porque eu escolheria uma ou outra opção de candidato. Adorei até a caminhada, até reflexões pessoais trazidas ao cotidiano em analogia ao momento político, como os altos e baixos de candidatos, as lições de persistência, de transitoriedade do hoje e do amanhã e a certeza de que só acabará no fim... que será um novo começo... levando a outro fim... e por aí, segue, tuuuuudo dentro de uma continuidade já existente desde sempre.

Gostei da energia acumulada e liberada. Energia move!!!! Energia acelera, traz frio na barriga e uma inquietude com consequências físicas e psíquicas que não sei dizer se são boas ou ruins, mas, de fato, necessárias na continuidade já existente da vida.

Seja qual for o resultado, ainda assim, achei bonito de se ver!!! Bonito escrever história!!!

14 de outubro de 2014

Fabíola e Daniel estrelando: Se for fácil, não tem graça

Pois é, o tema da Fabíola e Daniel deveria ser esse. Engraçado, pois quando ela surgiu na nossa vida, por uma indicação muuuuito especial, parecia tudo tão pronto e definido. Mas, eis a vida pregando peças!!!!

Dois meses antes do casamento, o acidente com o espaço escolhido. A correria atrás de novo salão, nossa noiva que trabalhava mais fora de BH do que aqui tendo que se desdobrar para re-resolver o casório, o sonho a ser em grande parte refeito. Uma nova construção, uma nova jornada, um monte de diálogo trazido pelas circunstâncias, o surgimento de demandas inesperadas. Exercício de paciência, de tolerância, de manter o rebolado no ritmo da canção. Confesso que nossa noivita ganhou um monte de estrelinhas e, com elas, meu respeito para sempre. Com todo seu jeito mil/hora, ela carregou a carga em altíssimo estilo. Fiquei admirada, especialmente quando a vi abrindo mão daquele sábado cuidadosamente escolhido, aceitando a sexta como opção do destino. Ela conseguiu enxergar que, ainda assim, foi uma bela opção oferecida pela vida. Com o presente por trás empurrando a favor - a turma toda contratada estava disponível na sexta. Yes, tudo 100%.

Achei mesmo que estava ok de destino pregando peças. Foi quando, não quero me ater a tristezas, mas na semana do casamento, precisamente na véspera, meu sogro sofre um infarto fulminante e, em meio a toda organização do casamento, um marido enterrando o pai, uma filha que perdeu o avô descobrindo a dor da perda em tão pouca idade e me vi sem chão, precisando ser chão de terceiros. No fervor de tentar contornar da melhor maneira, minimizando dores e aflições (minhas e de quem me cercava), me vi diante de generosidade - e não foi pela primeira vez que vi como Deus é precioso ao colocar noivas cheias de generosidade em minha vida. Fabíola soube do ocorrido e eu não a vi se afligindo por isso. Ela não me fez sequer uma pergunta sobre como tudo se daria. Ela confiou que eu faria o melhor. E me ajudou o tempo todo a ajudá-la. Ela me conhecia pouco, mas a vida de alguma forma deixou o recadinho a ela de que poderia manter-se ou, ao menos, demonstrar-se tranquila, pois tudo se encaixaria.

Parece que, no mais inesperado dos acontecimentos, daqueles inimagináveis, criamos forças que não sabemos ter. Tenho convicção de que o tipo de noivos com que, com a graça de Deus, acabo me encontrando, como a Fabíola e Daniel, fina estirpe, recebo dádivas privilegiadas. Surge uma força do além, que nem eu sabia ter, surge uma leveza dentro do peso aparentemente impossível de carregar, surge o presente da generosidade  vinda dessas pessoas especiais, como já disse antes. Com isso, o prestígio de um casamento fluido. Necessariamente fluido, deslizante, sedoso!!!! Delícia absoluta!!! Como são nos sonhos, nos planejamentos, nos desejos. Foi assim. Presenciei a felicidade, do jeitinho que eu muito queria. 

Obrigada Fabíola e Daniel pela compreensão, por me ajudarem a ter um dia menos pesado, por trazerem sorriso num dia em que sorrisos coloriam a sobriedade cinzenta. Obrigada a todos os colegas dos bastidores que me apoiaram com colo, distração, energia e com palavras de conforto. Elas acalentaram e aliviaram, tenham certeza! 

Fotos e Vídeo-fotos: Lau de Castro