14 de outubro de 2014

Fabíola e Daniel estrelando: Se for fácil, não tem graça

Pois é, o tema da Fabíola e Daniel deveria ser esse. Engraçado, pois quando ela surgiu na nossa vida, por uma indicação muuuuito especial, parecia tudo tão pronto e definido. Mas, eis a vida pregando peças!!!!

Dois meses antes do casamento, o acidente com o espaço escolhido. A correria atrás de novo salão, nossa noiva que trabalhava mais fora de BH do que aqui tendo que se desdobrar para re-resolver o casório, o sonho a ser em grande parte refeito. Uma nova construção, uma nova jornada, um monte de diálogo trazido pelas circunstâncias, o surgimento de demandas inesperadas. Exercício de paciência, de tolerância, de manter o rebolado no ritmo da canção. Confesso que nossa noivita ganhou um monte de estrelinhas e, com elas, meu respeito para sempre. Com todo seu jeito mil/hora, ela carregou a carga em altíssimo estilo. Fiquei admirada, especialmente quando a vi abrindo mão daquele sábado cuidadosamente escolhido, aceitando a sexta como opção do destino. Ela conseguiu enxergar que, ainda assim, foi uma bela opção oferecida pela vida. Com o presente por trás empurrando a favor - a turma toda contratada estava disponível na sexta. Yes, tudo 100%.

Achei mesmo que estava ok de destino pregando peças. Foi quando, não quero me ater a tristezas, mas na semana do casamento, precisamente na véspera, meu sogro sofre um infarto fulminante e, em meio a toda organização do casamento, um marido enterrando o pai, uma filha que perdeu o avô descobrindo a dor da perda em tão pouca idade e me vi sem chão, precisando ser chão de terceiros. No fervor de tentar contornar da melhor maneira, minimizando dores e aflições (minhas e de quem me cercava), me vi diante de generosidade - e não foi pela primeira vez que vi como Deus é precioso ao colocar noivas cheias de generosidade em minha vida. Fabíola soube do ocorrido e eu não a vi se afligindo por isso. Ela não me fez sequer uma pergunta sobre como tudo se daria. Ela confiou que eu faria o melhor. E me ajudou o tempo todo a ajudá-la. Ela me conhecia pouco, mas a vida de alguma forma deixou o recadinho a ela de que poderia manter-se ou, ao menos, demonstrar-se tranquila, pois tudo se encaixaria.

Parece que, no mais inesperado dos acontecimentos, daqueles inimagináveis, criamos forças que não sabemos ter. Tenho convicção de que o tipo de noivos com que, com a graça de Deus, acabo me encontrando, como a Fabíola e Daniel, fina estirpe, recebo dádivas privilegiadas. Surge uma força do além, que nem eu sabia ter, surge uma leveza dentro do peso aparentemente impossível de carregar, surge o presente da generosidade  vinda dessas pessoas especiais, como já disse antes. Com isso, o prestígio de um casamento fluido. Necessariamente fluido, deslizante, sedoso!!!! Delícia absoluta!!! Como são nos sonhos, nos planejamentos, nos desejos. Foi assim. Presenciei a felicidade, do jeitinho que eu muito queria. 

Obrigada Fabíola e Daniel pela compreensão, por me ajudarem a ter um dia menos pesado, por trazerem sorriso num dia em que sorrisos coloriam a sobriedade cinzenta. Obrigada a todos os colegas dos bastidores que me apoiaram com colo, distração, energia e com palavras de conforto. Elas acalentaram e aliviaram, tenham certeza! 

Fotos e Vídeo-fotos: Lau de Castro




























5 de outubro de 2014

Chris e Ti 

Não sei como começou, mas sei que foi instantâneo e não me lembro exatamente em que momento, mas tb sei que foi logo após poucas palavras, quando eu disse: VC JÁ SE CASOU? POIS QUANDO CASAR, SEREI SEU CERIMONIAL. Então, foi ali, anos atrás, que nossa história de amor começou.

Dessas coisas inexplicáveis da vida. Você encontra um outro alguém e esse outro alguém te faz tão bem. Ela tinha a doçura do meu paladar, a calma que tranquilizava minha ansiedade e a voz mais linda que já ouvi cantar. Me deu colo quando precisei, amparo quando fraquejei e acreditou em mim desde sempre, mesmo quando ainda não me conhecia tanto assim. Rimos juntas, choramos tb. Quantas madrugadas embaladas em assuntos que não se esgotavam. Ela conheceu o melhor de mim e o pior tb. Tornou-se especial por isso. Numa unicidade absoluta! Quando permitimos ao outro conhecer nossas fraquezas é porque a relação ganhou fortaleza suficiente para isso. E foi forte até! Exercícios de tolerância, de perdão, de entrega, de cumplicidade, de carinho. Tudo profundo, intenso como a cor da paixão. 

Na caminhada, a paixão se tornou amor. Mesmo à distância, no fim das contas, somos ombros disponíveis. Para dar beijinhos e espantar as invejosas de plantão e para ser o apoio do abraço e do choro. O legítimo ombro amigo.

Na caminhada, o Ti. O Ti que nos aceitou de braços abertos e nos acolheu. Que aceitou diversidades especialmente de temperamentos. E compreendeu que mesmo as diferenças podem ter graça e coexistir com felicidade. Um pouco de reflexo de mim pela Fonoaudiologia, mesma escola, pelo jeito nerd, pelo papel sempre responsável e cruelmente perfeccionista do filho primogênito. Maravilhoso conseguir dar as mãos ao seu lado que mais pesa pela responsa assumida - tentativa em ser perfeito dentro da natureza humana, sempre imperfeita. Trouxemos leveza ao pesado de nós e nos divertimos muito juntos.

Da série EU GOSTO, Magnificat. E quem não gosta? Foi através do qual tudo começou. Da série FUI FELIZ, nuh, fui inexplicavelmente feliz! Por organizar o casamento, num passado que já soma 7 anos. Por viver um êxtase de amizade nunca antes ou depois experimentado.

Fotos: Oswaldo Marra & Jane Magalhães



Foto: Adriana Porto






1 de outubro de 2014

Tati e Léo

Toda vez que me emociono com noivas, tenho vontade de abrir o bloguito e escrever, escrever, escrever... sem fim, sem nexo, sem pontuação. Apenas escrever, dividir alegria e bem estar! Tenho vontade de entrar no meu mundo encantado de casamentos onde princesas me permitiram estar. De ver cada foto e suspirar. Pensar na bagagem, na caminhada tão longa. Enxergar o quanto já se solidificou. Abstratos que se concretizaram e viraram mundo real ou, talvez, contos de fada verdadeiros, se é que a expressão é viável... não importa! Importante é saber que em cada fui feliz, sempre quero dizer em letras garrafais, F-U-I   F-E-L-I-Z!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Porque é assim, bem grande, que cabe a mim!

Tati e Léo em mais um mundo de encantos, sabores, cores e flores! 
F-U-I   F-E-L-I-Z!!!

Fotos: Ricardo Aquino 
(lindas e super-mega-ultra gentilmente disponibilizadas)